domingo, 30 de dezembro de 2007

Mensagem para 2008 - Café e Maionese

Um professor diante da sua turma de filosofia, sem dizer uma palavra, pegou num frasco grande e vazio de maionese e começou a enchê-lo com bolas de golfe. A seguir perguntou aos alunos se o frasco estava cheio. Todos estiveram de acordo em dizer que “sim”.

O professor pegou então numa caixa de fósforos e vazou-a dentro do frasco de maionese. Os fósforos preencheram os espaços vazios entre as bolas de golfe. O professor voltou a perguntar aos alunos se o frasco estava cheio e eles voltaram a responder que “sim”.

A seguir, o professor pegou numa caixa de areia e vazou-a dentro do frasco. Obviamente que a areia encheu todos os espaços vazios e o professor questionou novamente se o frasco estava cheio. Os alunos responderam-lhe com um sim retumbante.

O professor, em seguida, adicionou duas chávenas de café ao conteúdo do frasco e preencheu todos os espaços vazios entre a areia.

Os estudantes riram-se então nesta ocasião.

Quando os risos terminaram, o professor comentou:
- Quero que percebam que este frasco é a vida. As bolas de golfe são as coisas importantes, como a família, os filhos a saúde, os amigos, Deus…, as coisas que te apaixonam. São as coisas, que mesmo que perdesses tudo o resto, a nossa vida ainda estaria cheia.

Os fósforos são outras coisas importantes, como o trabalho, a casa, o carro, etc.
A areia é todo o resto, as pequenas coisas. Se primeiro colocarmos a areia no frasco, não haverá espaço para os fósforos, nem para as bolas de golfe. O mesmo ocorre com a vida. Se gastarmos todo o nosso tempo e energia para as coisas pequenas, nunca teremos lugar para as coisas que realmente são importantes. Prestem atenção ás coisas que realmente importam. Estabeleçam as vossas prioridades e o resto é só areia.

Um dos estudantes levantou a mão e perguntou:
- Então o que representa o café?
O professor sorriu e disse:
- Ainda bem que perguntas! Isto é só para vos mostrar que, por mais ocupada a vossa vida possa parecer, há sempre lugar para tomar um café com um amigo.
Quando as coisas da vida te parecerem demasiadas…, lembra-te do frasco de maionese e café.


E com esta «mensagem» que recebi por mail e aqui partilho, desejo a todos os que por aqui passem um BOM ANO de 2008

segunda-feira, 17 de dezembro de 2007

domingo, 16 de dezembro de 2007

Acontece...

Ouve-se a porta abrir e a fechar com força. Ouve-se o bater das solas dos sapatos no soalho da casa. Passo a passo sobe a escada. O som expressa rapidez. A porta do quarto abre. A porta do quarto fecha. Ele encosta as costas às costas da porta. Ela, deitada na cama, levanta a cabeça e dirige-lhe o olhar. Nem uma palavra. Os olhares cruzam-se. Um leve sorriso abre-se. O silêncio quebra-se:
...
- nem queria acreditar que tinhas chegado. Vim mal conse...
...
O dedo indicador sobre os lábios retoma o silêncio. Um botão desabotoa-se. Seis botões desabotoam-se. A camisa cai. Peça a peça cobre-se o chão. Olham-se profundamente. As palavras são inúteis.
...
Os corpos aproximam-se... os olhares penetram-se... a frequência cardíaca aumenta... como aumenta... sentem-se as respirações... as pálpebras fecham-se... as lábios tocam-se... as mãos unem-se... os corpos reconhecem-se... os corpos encaixam-se....
...
O inevitável acontece... matam-se saudades...




Prickly Touch Of Romance
Originally uploaded by *Irina*

quinta-feira, 13 de dezembro de 2007

A melhor confidente...

Por entre bosques e arvoredos caminha-se sem direcção. Busca-se o canto perfeito para desabafar... Alegrias? Tristezas? Ódios? Amores? Medos? Todos os sentimentos e mais alguns... o importante é desabafar num lugar que seja só nosso... naquele lugar que, sem saber porquê, pertence-nos mesmo sem nunca ninguém ter dito que era nosso... se nem às paredes se confessam muitos dos desabafos... confessá-los à natureza é confessar ao infinito... na natureza corre vento... mesmo que seja apenas uma brisa será o suficiente para que os desabafos sejam guardados em lugares que só a natureza conhece... nesse momento descobre-se que a natureza é a melhor confidente...




Imagem de Miguel Pereira em www.olhares.com

quarta-feira, 12 de dezembro de 2007

Medo...

É medo. Sim... é isso... é medo. Tenho medo. Estou com medo. É isso... estou com medo.
De quê? De quem? Porquê?
Não sei. Não sei. Não sei.
Porque não sabes?
Porque não.

É medo. Sim... é isso. É medo.
E o que é o medo?
Não sei. Não... espera... eu sei o que é.
Então o que é?
É o que sinto... ele vive comigo. Quero arranca-lo e não consigo. O medo vive em mim.
Ai medo... dás-me medo... mas vou vencer-te.



Imagem de Miguel Pereira em www.olhares.com

terça-feira, 11 de dezembro de 2007

Confusa...

Até ontem, ao fim do dia, queria que hoje fosse Janeiro de 2008. A partir de ontem, à noite, queria que hoje fosse Janeiro não de 2008, mas de 2007. Bem.... estou confusa.

domingo, 9 de dezembro de 2007

Momentos singelos

Sento-me no sofá... ligo a música... deixo-me levar pelo som do Rodrigo Leão... gosto de o ouvir. Acomodo-mo no sofá e tiro o papel ao gelado. Do lado de fora da janela um céu escuro... cai novamente um chuveiro forte... aconchegada no meu sofá e no calor do meu lar termino de comer o gelado. Deito-me completamente no sofá e entrego-me à sonolência que começa a apoderar-se de mim... baixo o som da música... «ups» adormeci.... mas... soube tão bem...

sexta-feira, 7 de dezembro de 2007

Até que enfim...


Some old and dusty things can shine too
Originally uploaded by flickring Nemo

Finalmente é sexta-feira. Há semanas que parecem nunca mais acabar; a que termina hoje foi uma dessas semanas.
Finamente começa a cheirar a fim-de-semana e, por isso, aqui ficam os votos de um bom Fim-de-semana.