domingo, 28 de setembro de 2008

Cerca das quatro da manhã...

... entra-se na urgência do hospital público de Vila Nova de Famalicão. Atendendo à hora, espanta o facto da urgência estar cheia. Feita a triagem. Resta esperar, na sala de espera da urgência, que o médico chame. O tempo passa e não se houve nada... o silêncio impera até que alguém decide quebrá-lo: - «estou aqui há mais de uma hora. O médico não vem???». Descobre-se a razão... o médico está a dormir. Pai e mãe olham-se e tomam a decisão: - «pode fechar a ficha da nossa filha. Estamos cá há 10 minutos e há pessoas que estão há uma hora... nem queremos imaginar quanto tempo vamos ter de esperar para a nossa filha ser atendida... vamos para o hospital privado....»

(...)

Chega-se ao hospital privado. Está vazio. Faz-se a ficha. O médico também parece estar a dormir. Mas... nem cinco minutos já está na urgência. A filha é atendida. Faz-se o diagnóstico. Aplica-se a terapêutica. Tudo resolvido. Paga-se e volta-se para casa.

(...)

No dia seguinte comenta-se a situação entre familiares e alguém diz; pois... você teve dinheiro para ir ao privado e quem não tem? Responde-se: tem que se poupar para ter dinheiro para ir ao privado. Caso não se tenha? Morre-se.

sexta-feira, 26 de setembro de 2008

Passagens soltas de uma vida IV

Comemora-se o primeiro ano de união. O segundo. O terceiro. Mas a rosa murcha... muda de cor... Aos poucos instala-se um clima de vazio no dia-a-dia. Não se tem objectivos em comum.!? Um só dá lugar a dois... não se sabe porquê. Procuram-se respostas e elas não aparecem. O relacionamento já não é o que era. Desenham-se razões no horizonte da falta de chama acesa no relacionamento. Não se querem ver essas razões... muito menos senti-las.



Endless nature beauty, originally uploaded by Ainav...

quinta-feira, 25 de setembro de 2008

Passagens soltas de uma vida III

As promessas foram feitas: fidelidade... amor... em todos os momentos da vida. Eram um só. Um casal. Uma família. Tudo parecia claro. O clima de bem estar instalou-se. A paixão continuava acesa... o amor era certeza... o amor dava vida à vida... vivia-se uma relação repleta de vida... vivia-se uma nova vida; novas responsabilidades. Novas exigências. Novos desafios. E assim se caminhava pelos caminhos da vida...



without destination, originally uploaded by Ainav...

sexta-feira, 19 de setembro de 2008

Passagens soltas de uma vida II

Entre paixão... loucura... atracção... desejo... o amor implantou-se e com ele a certeza de quererem viver juntos. Não era preciso qualquer assinatura num qualquer tipo de papel. Nenhuma assinatura era mais verdadeira... mais real... mais genuína do que a expressão física e verbal do desejo de quererem viver juntos. Tomam-se medidas nesse sentido. Encontra-se a casa e a decisão é tomada: acordar no dia um de Janeiro de 2004 juntos... Começava naquele dia um longo caminho a dois...



Douro by train, originally uploaded by flickring Nemo.

quinta-feira, 18 de setembro de 2008

Passagens soltas de uma vida I

Conhecem-se num período, diz quem sabe, controverso: o da adolescência. Quis a vida que a presença física fosse constante. Com mais ou menos cruzamentos, a vida encarregou-se de os juntar. Ou eles encarregaram-se que a vida os juntasse. Eram jovens. Bonitos. Realizados.
Surgiu a chama da paixão e com ela o namoro. Quanto mais velhos mais juntos. Quantos mais anos somavam de relacionamento mais juntos se sentiam.


(...)



Come away ..., originally uploaded by Piedade Pinheiro.

terça-feira, 16 de setembro de 2008

(...)

Letra a letra formo uma palavra
Palavra a palavra crio uma frase
Frase a frase construo um texto
Texto a texto redijo uma história
História a históra conto uma vida