sexta-feira, 12 de outubro de 2012

E ao anúncio da minha morte não chores. Não choreis. Sabei antes que a partir desse momento estarei viva, verdadeiramente mais viva do que quando viva pensavas que estava. Morte aos vossos olhos é vida que ganha a vida que outrora parecia que era vida. Ausência é presença e não a ilusão de uma presença da presença que era ausência. E ao anúncio da minha morte não chores. Não choreis. Nesse dia a viver comecei! AJO

quinta-feira, 11 de outubro de 2012

Há muito que se fala e se alerta para a necessidade do ser humano pensar para lá do quadrado. Figura geométrica por figura geométrica, acredito ser mais pertinente alertar o ser humano para a urgência de pensar para lá da circunferência. É que talvez assim comece a pensar para lá do umbigo quer do ponto de vista particular, quer coletivo…

AJO

quinta-feira, 4 de outubro de 2012

Parece que tudo e todos descobriram o adjetivo «enorme». De repente… Tudo se tornou «enorme» … o medo, a angustia, a aflição, a revolta, a raiva, a sentido se injustiça…, Gaspar, que até não exibe estatura «enorme», tornou-se «enorme» ao proferir a frase: «Um enorme aumento de impostos» … Mas no meio deste «enorme» todo… Há algo que ficou pequeno… Muito pequeno… O Coração de tão apertado, esmagado que foi com tão «enorme» aceleração … Até «enorme» vai ser a lista dos cardiologistas… Isto se a carteira não ficar demasiado pequena... Caso contrário, «enorme» mesmo… só a lista da agência funerária e do coveiro… AJO