quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

E de repente… De repente é o cansaço que penetra os ossos e os bloqueia. Um medo que invade o sangue e o engrossa. As veias que sentem falta de espaço. Os pulmões que não sentem a atmosfera. As articulações que não sentem a cartilagem. O encéfalo que não sente o cérebro. A lua que amordaça a íris. As estrelas que trespassam a alma. E de repente… De repente o sol arrebata o coração. Incendeia a aurícula …, o ventrículo. O animal bípede, apesar de tudo, arfa… AJO

domingo, 10 de fevereiro de 2013

Silêncio. A alma do ato de comunicar. Pedem-me para falar. Não falo. Comunico. E faço-me ouvir. Todos dizem que não me ouvem! Pedem-me que fale mais alto. Não falo. Comunico. Comunico mais alto. Mais alto comunico. Continuam sem ouvir. Não ouvem… Muito menos escutam! É que o silêncio é a instrumento nobre da comunicação… Só alguns conseguem escuta-lo… Só alguns conseguem senti-lo… Só alguns conseguem comunicar... Silêncio… Silêncio… AJO